Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Galeria de Secretários

Galeria de Secretários SOP
Galeria de Secretários SOP - Foto: Jean P. H. Maidana / ASCOM SOP

O primeiro Secretário das Obras do Estado do Rio Grande do Sul, de 16.11.1889 a 1890, foi o engenheiro civil, jornalista e político Antão Gonçalves de Faria. Natural de São Sepé, formou-se em engenharia pela Escola Central do Brasil, no Rio de Janeiro, de onde retornou para estabelecer-se em Caçapava. Participou da fundação do jornal “A Federação” do Partido Republicano Riograndense e do lançamento do jornal “O Rio Grande”, como redator, em 1884.

Foi nomeado Superintendente das obras públicas do Estado, no governo do Marechal José Antonio Correia da Câmara, cargo do qual se afastou quando da substituição do Governador pelo General Julio Anacleto Falcão da Frota, que nomeou Julio de Castilhos, 1º Vice e o próprio Antão de Faria, como 2º Vice-governador.

Eleito deputado constituinte em 15 de setembro de 1881, presidiu na Assembléia a Comissão de Viação e Obras Públicas. A seguir foi nomeado pelo Presidente Floriano Peixoto como Ministro da Agricultura e Viação, tendo exercido também, em caráter interino, o cargo de Ministro da Fazenda.

Deixou dois trabalhos publicados que dão conta de seu engajamento com as questões das obras públicas: Viação Férrea do RGS - Rede Estratégica (ensaio), de 1912, e Problemas Nacionais (discurso), de 1913.

Sua atuação na Revolução Federalista contra o Governo de Julio de Castilhos lhe rendeu o exílio na Argentina, tendo abandonado a política em 1894.

João José Pereira Parobé, o segundo titular da Secretaria foi Diretor de Obras Públicas do Estado em 1889 e, em 1890, foi nomeado Secretário de Estado das Obras Públicas, cargo que acabou por exercer por dois períodos:  de 1890 a 06.03.1906 e 25.1.1913 a 09.12.1915.

Engenheiro civil, como tenente de infantaria, bacharelou-se em ciências físicas e naturais. Foi um dos signatários do Manifesto Republicano, publicado em 13 de dezembro de 1870 pelo jornal carioca A República, quando tinha apenas dezessete anos de idade.

Trabalhou como engenheiro da Estrada de Ferro Porto Alegre-Uruguaiana, em 1888 e como engenheiro municipal da Intendência da cidade de Rio Grande, no ano seguinte. Foi eleito deputado constituinte em 1891 e deputado estadual em 1909.

Foi professor e diretor da Escola de Engenharia do Rio Grande do Sul, tendo sido responsável pelo projeto e pela construção do seu prédio original, entre 1898 e 1900, quando chefiava a Secretaria das Obras do Estado. Profundamente comprometido com a educação fundou, em 1900, o Colégio Estadual Julio de Castilhos, a Escola Técnica que viria a ter o seu nome e o Instituto Astronômico e Metereológico, dentre outros que viriam futuramente a pertencer à Universidade. Parobé também é homenageado com seu nome em um dos Municípios do Estado.

José Barbosa Gonçalves, chefiou as obras do Estado de 07.03.1906 a 12.1907. O engenheiro, terceiro titular da pasta, era irmão de Carlos Barbosa Gonçalves, o Presidente do Estado de 1908 a 1913. Foi também prefeito de Pelotas em 1903 e de 1908 a 1912 e Ministro dos Transportes, entre 26 de fevereiro de 1912 e 15 de novembro de 1914, no governo de Hermes da Fonseca.

Cândido José de Godói, secretário de janeiro de 1908 a janeiro de 1913, formou-se em engenharia pela Ecole des Ponts et Chaussées de Paris, em 1876, classificado em terceiro lugar. Além de ter sido o quarto titular da Secretaria de Obras do Estado, também ocupou em acúmulo e interinamente a Secretaria da Fazenda, no Governo de Carlos Barbosa Gonçalves.

Foi professor da Escola de Engenharia do Rio Grande do Sul. Em sua homenagem foram nomeados um município, prédios e uma escola estadual.

Protásio Alves chefiou a Secretaria no período de 01.1.1916 a 24.1.1917. Ao contrário de seus antecessores, era médico, formado no Rio de Janeiro, mas também, como os demais, militou desde jovem no Partido Republicano Riograndense. Foi Vice-presidente da Província nos períodos de 1918 a 1923 e de 1923 a 1928.

Foi um dos fundadores do Curso de Partos junto à Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, em 1897, e um dos fundadores da Faculdade de Medicina que futuramente integraria a Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Foi o primeiro agente público a exercer o cargo de Diretor de Higiene do Estado do Rio Grande do Sul, cargo então vinculado à chamada Secretaria do Interior e Exterior, pasta da qual também veio a ser Secretário.

Em reverência a seus feitos como homem público, tem seu nome homenageado em importante avenida na cidade de Porto Alegre, em escola estadual e em município gaúcho.

Ildefonso Soares Pinto foi Secretário Estadual das Obras Públicas de 25.1.1917 a 27.7.1925. Além de engenheiro militar e professor da Escola de Engenharia, era bacharel em Direito e foi deputado estadual e federal. Seu nome designa uma escola estadual em Campo Bom e uma rua em Alvorada, entre outras. Também foi homenageado com a denominação de uma estação ferroviária que se localizava na esquina das Avenidas Borges de Medeiros e Mauá, em Porto Alegre, construída para ser a estação inicial da ferrovia Riacho-Tristeza, inaugurada em 1927, e que veio a ser demolida em 1972.

Antonio Marinho Loureiro Chaves era Bacharel em direito pela Faculdade de Direito de São Paulo e, além de procurador fiscal e Secretário da Fazenda de 1915 a 1928, respondeu pela Secretaria das Obras de julho de 1925 a julho de 1926.

Sérgio Ulrich de Oliveira foi o oitavo titular da Secretaria, no período de agosto de 1926 a novembro de 1926. Promotor público em Uruguaiana, foi também deputado na Assembléia dos Representantes do Rio Grande do Sul por seis períodos consecutivos de 1901 a 1928 e deputado federal nos períodos de 03.05.1921 a 31.12.1923, de 03.05.1927 a 31.12.1929 e de 03.05.1930 a 23.10.1930.

Augusto Pestana, homenageado com seu nome em município gaúcho, antigo distrito de Ijuí, e rua em Porto Alegre, além de outros equipamentos públicos, foi Secretário das Obras pelo período de 11.11.1926 até o final de 1927. Engenheiro civil, especializado em transportes ferroviários foi diretor da Colônia de Ijuí e primeiro intendente da cidade, logo que emancipada. Embora nascido no Rio de Janeiro, radicou-se no Rio Grande do Sul, elegendo-se deputado federal pelo Partido Republicano Riograndense (PRR) em 1915, 1918 e 1928. Presidiu a Viação Férrea do Rio Grande do Sul de 1920 a 1924. Em Porto Alegre, também foi homenageado com o nome de uma importante estação ferroviária denominada Diretor Augusto Pestana, ou, simplesmente, Diretor Pestana, uma referência a seu cargo anterior de diretor da colônia de Ijuí.

João Fernandes Moreira, engenheiro civil, assumiu a secretaria a convite do então Presidente do Estado, Getúlio Vargas, e a exerceu pelos períodos de janeiro de 1928 a novembro de 1930, retornando em 1º de dezembro do mesmo ano para nela permanecer até 31 de dezembro de 1932, já no Governo de Flores da Cunha.

Edgar Luiz Schneider, que chefiou a pasta de 08.11.1930 a 28.11.1930, foi jurista, professor, jornalista e deputado estadual. Foi Diretor da Faculdade de Ciências Econômicas e posteriormente, Reitor da Universidade do Rio Grande do Sul, de 1942 a 1943, além de membro do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul e da Academia Riograndense de Letras. No Governo de Valter Jobim, foi um de seus substitutos.Em sua homenagem, uma praça no centro de Porto Alegre leva seu nome, além de uma escola de ensino fundamental e de uma rua.

Francisco Rodolfo Simch, engenheiro civil e Professor Catedrático da Faculdade Livre de Direito foi titular das Obras Públicas do Estado, de janeiro de 1933 a dezembro de 1935. Autor de “Noções Elementares de Mineralogia e Geologia”, foi o primeiro Diretor do Museu do Estado, criado por Borges de Medeiros, em sua primeira fase, considerado um museu de história natural, e, somente mais tarde, transformado em Museu Julio de Castilhos. Também tem uma rua em Porto Alegre batizada com seu nome.

Henrique Pereira Neto chefiou a pasta de janeiro de 1936 a 20 de outubro de 1937. Engenheiro civil, natural de Rio Grande, professor da Faculdade de Engenharia, foi também seu diretor. Na administração de José Montaury, foi engenheiro-chefe da Seção de Obras Públicas da capital, e foi o primeiro presidente do CREA. Tem em sua homenagem uma rua com o seu nome em Porto Alegre.

Walter Só Jobim, secretário de 22 de outubro de 1937 a 29 de dezembro de 1939 e de 07 de outubro de 1943 a 29 de outubro de 1945. Bacharel em Direito, foi juiz, promotor, advogado. Em 1946, no governo de transição de Pompílio Cylon Fernandes Rosa, foi Secretario de Estado do Interior e Justiça. Em disputa com Alberto Pasqualini foi eleito governador para o período de 1947 a 1951. Foi embaixador do Brasil no Uruguai e membro da Academia Brasileira de Letras.

Antonio da Rocha Meireles Leite, engenheiro civil, foi Secretário pelo período de 30.12.1939 a 4.09.1943. Em sua homenagem foi nomeada uma rua em Porto Alegre, no Bairro da Restinga, bem como uma, em Rio Grande, município do qual foi intendente em 1928.

Homero de Oliveira, engenheiro e professor da Escola de Engenharia da Universidade do Rio Grande do Sul, foi titular da secretaria de 31 de outubro de 1945 a 07 de novembro de 1945; de 21 de novembro de 1945 a 05 de fevereiro de 1946 e de 05 de maio de 1950 a 11 de janeiro de 1951.

Orlando da Cunha Carlos, advogado e político, chefiou as obras do Estado, pelo curto período de 8.11.1945 a 20.11.1945. Foi conselheiro municipal de Cachoeira do Sul, inspetor federal de ensino secundário, professor de “Introdução à Ciência do Direito” na Universidade Federal do Rio Grande do Sul,  deputado estadual (49-50), Secretário de Agricultura, Indústria e Comércio, de 1955 a 1959 e Presidente do BRDE de 1972 a 1977.

Clovis Pestana foi Secretário de 06.02.1946 a 23.10.1946. Filho de Augusto Pestana, engenheiro civil pela Escola Politécnica do Rio de Janeiro e Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito, hoje integrante da UFRGS, foi Prefeito de Porto Alegre, Ministro dos Transportes de 1946 a 1950, no governo de Eurico Gaspar Dutra, e entre fevereiro e agosto 1961, no governo de Jânio Quadros. Foi eleito deputado federal pelo Rio Grande do Sul em 1950, 1954, 1958, 1962 e 1966. Também foi diretor-técnico e diretor-geral do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem do Estado (1938-1945) e ministro do Tribunal de Contas da União (1969-1973). Autor de “Introdução ao Planejamento Nacional – Primeira tentativa de equacionamento global dos problemas brasileiros” (Editora Globo, 1962). Em sua homenagem foram nomeados alguns bens públicos, como uma rua em Cachoeirinha e uma escola em Lagoa Vermelha.

José Baptista Pereira  foi secretário de Obras, pelo período de 23.10.1946 a 03.07.1950. Cientista e engenheiro, depois de formado em Engenharia pela Escola de Porto Alegre foi para Berlim estudar a respeito das jazidas de calcário na Escola de Charlottenburg. Defendeu tese sobre o cimento Portland, quando o país ainda não fabricava esse produto. Foi professor da Escola de Engenharia por 40 anos, fundador do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem – DAER, Presidente do Conselho Rodoviário Nacional, Presidente do Departamento Nacional de Estradas de Rodagem – DNER, Conselheiro da Petrobrás e Presidente do Conselho Nacional de Pesquisa – CNPq.

Aficcionado da Astronomia construiu em 1953 um telescópio com espelho de 400 mm, que foi o maior do Brasil na época. Transformou sua casa, na Rua Coronel Bordini, num observatório que recebia visitas de interessados, professores ou cidadãos comuns. Em 1964 fundou a Associação Astronômica do Rio Grande do Sul. Doou o acervo de sua biblioteca e seus instrumentos astronômicos à Universidade, mas não chegou a ver inaugurado o Planetário que tomou o seu nome.

Annibal Di Primio Beck exerceu o cargo de 10.12.1951 a 23.02.1953. Foi vereador (conselheiro municipal) em Porto Alegre e, em 1936, Secretário de Agricultura, Indústria e Comércio no Governo de José Antônio Flores da Cunha. Em 1947 foi eleito deputado estadual. Também foi Diretor-Presidente do Jornal A Hora, de Porto Alegre. Bacharel em Direito e jornalista, foi Senador pelo Estado do Rio Grande do Sul, tendo assumido o mandato com o licenciamento de Pasqualini em junho de 1956. Dá nome a uma rua em Porto Alegre, no bairro Boa Vista: Senador Annibal Di Primio Beck.

Personagem de notória importância para a história do país,  Leonel de Moura Brizola foi Secretário de 23.02.1953 a 01.07.1954 e de 09.10.1954 a 28.10.1955. Foi Prefeito de Porto Alegre em 1955, deputado estadual, Governador do RS (1958) e deputado federal pelo Estado do Rio de Janeiro em 1962, então Guanabara. Foi cassado em 1964, exilando-se no Uruguai. Anistiado, voltou ao Brasil em 1979, fundando o PDT e elegendo-se duas vezes Governador do RJ (1982-1990).

Eurico Trindade de Andrade Neves foi Secretário de 01.07.1954 a 08.10.1954. Foi engenheiro do quadro da Secretaria das Obras. Em 1943 iniciou o plano de saneamento do Estado, tendo colaborado ou, mesmo, sido autor dos projetos de abastecimento de água de Rosário do Sul, São Borja, Vacaria, Bento Gonçalves, Tramandaí, Santa Cruz do Sul, Rio Pardo, Passo Fundo, Canoas, Novo Hamburgo e Santa Maria. Deixou trabalhos publicados, entre os quais “Curso de Hidráulica”.

Euclides Triches foi mais um Secretário das Obras que se tornou Governador do Estado (1971 a 1975). Seu período de atuação na pasta se deu de 01.02.1955 a 13.02.1959, durante o Governo de Ildo Meneghetti. Engenheiro metalúrgico pela Escola Técnica do Exército e ex-militar, foi eleito prefeito de Caxias do Sul em 1951 e exerceu o cargo até 1955. Também foi eleito deputado federal, pelo RS, em 1962 e em 1966. É homenageado na condição de Governador com a designação de rua em Caxias do Sul e com a denominação Rota do Sol.

Mario José Maestri, que chefiou a Secretaria das Obras de 13.02.1959 a 06.01.1960, é engenheiro e pai do historiador Mário Maestri.

João Caruso Scuderi  foi secretário de 01.04.1960 a 01.01.1962. Nascido na Itália, radicou-se no Brasil. Advogado e parlamentar, por três mandatos, foi também Presidente da Assembléia Legislativa, tendo substituído o Governador Ernesto Dorneles em várias oportunidades.  Foi Secretário de Estado do Interior e de Justiça e da Agricultura, e, no governo de Leonel Brizola, como Secretário das Obras, foi responsável pelo desenvolvimento do seu conhecido programa de construção de escolas públicas.

Nilton de Castro Reis foi Secretário no período de 02.07.1962 a 31.01.1963. Foi engenheiro da Secretaria das Obras, além de seu Secretário, tendo sido responsável por salvar da incineração inúmeros documentos relativos à memória das obras do Estado, como se encontra anotado em  

João Magalhães Filho foi Secretário de 22.02.1963 a 22.09.1964 e é homenageado com seu nome pela Escola Estadual de 1º Grau Incompleto Engenheiro João Magalhães Filho na cidade de  Caxias do Sul e de rua em Passo Fundo.

Synval Guazzelli chefiou as obras do Estado, de 05.10.1964 a 16.12.1964. Bacharel em Direito pela PUCRS, foi vice-prefeito de Vacaria, deputado estadual, deputado federal por três legislaturas, Governador do Estado e vice-governador no Governo de Pedro Simon, além de Ministro da Agricultura em 1994.

Nos períodos de 26 de janeiro de 1965 a 10 de maio de 1966 e de 12 de maio de 1966 a 31.01.1967 a Secretaria foi comandada por Waldir José Maggi. Arquiteto e urbanista foi também diretor-presidente da CORSAN.

O Engenheiro Umberto Pergher esteve à frente da Secretaria das Obras de 31.01.1967 a 15.03.1971.

Jorge Englert era engenheiro agrônomo e foi Secretário das Obras de 15.03.1971 a 15.03.1975, no Governo de Euclides Triches. Membro de uma família que já figurou em várias oportunidades na vida pública do Estado, era filho de Gaston Englert, que foi Secretário da Fazenda (de 1947 a 1950), tio do atual Secretário da Fazenda Ricardo Englert e neto do deputado constituinte estadual de 1891, Luiz Englert. Também se notabilizou como orquidófilo, tendo sido autor de parecer pela preservação do Morro do Osso e suas orquídeas.

Outro Secretário das Obras com destaque na vida parlamentar foi Octavio Badui Germano, cuja gestão foi de 15.3.1975 a 27.05.1976. Foi deputado estadual por três legislaturas (1963-75). Foi também Secretário de Estado do Interior e Justiça, Presidente da Assembléia Legislativa e Vice-Governador do Estado e exerceu a presidência do Sistema Elétrico de Furnas, no Governo de João Batista Figueiredo.

Entre 29 de maio de 1978 e 15 de março de 1979 a Secretaria de Obras foi chefiada pelo advogado e Procurador do Estado Bartolomé Borba.

No período subsequente, de 15 de março de 1979 a 14 de novembro de 1980, o Secretário de Obras foi Victor José Faccioni em cujo currículo acumula os títulos de jornalista, contador, economista e advogado. Foi vereador em Caxias do Sul, deputado federal e constituinte federal em 1988. Atualmente é Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do RS.

A Secretaria das Obras também foi chefiada pelos Engenheiros Edson Molina Belo (14.11.1980–28.11.1980), que também foi Presidente da CORSAN; José Luiz Rocha Paiva (12.02.1982 – 15.03.1983), que também foi Diretor-Geral do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem – DAER; Luiz Gonzaga de Souza Fagundes (15.03.1983 – 24.02.1986) e pelos empresários João Flavio Ioppi (25.02.1986 – 15.03.1987) e Assis Roberto de Souza (16.03.1987 – 15.03.1991).

Pelo período de 28 de novembro de 1980 a 12 de fevereiro de 1982, foi Secretário das Obras Alberto Hoffmann, que foi Senador, de 1990 a 1991, deputado estadual por 4 legislaturas, de 1951 a 1967, e federal por outras 4 legislaturas, de 1967 a 1983. Foi agricultor, contabilista e comerciário. Exerceu os cargos de Secretário de Estado da Agricultura, de Economia, de Fazenda e foi Ministro do Tribunal de Contas da União.

Jorge Decken Debiagi, arquiteto, chefiou a Secretaria de Planejamento Territorial e Obras entre 15.3.1991 e 02.01.1995, na gestão do Governador Alceu Collares.

Jorge Alberto Mendes Ribeiro Filho foi outro bacharel em Direito que titulou a então Secretaria das Obras Públicas, Saneamento e Habitação, de 02.01.1995 a 12.03.1996. Foi deputado estadual constituinte em 1987 e deputado estadual em 1990. Deputado federal, há várias legislaturas desde 1995, também ocupou a Secretaria da Justiça e a Casa Civil do Governo do Estado.

Gilberto Moreira Mussi ocupou a Secretaria por um curto espaço de tempo, de 04.01.1995 a 03.02.1995, tendo sido também Secretário Extraordinário para Assuntos da Casa Civil, no Governo de Pedro Simon e prefeito de Canguçu. Deputado estadual por duas legislaturas, entre os anos de 1983 a 1991, Gilberto Mussi compôs o grupo de parlamentares responsável pelo desenvolvimento da Constituição Estadual de 1989.

Telmo José Kirst foi responsável pela pasta pelos períodos de 12.03.1996 a 30.03.1998 e de 04.11.1998 a 31.12.1998. Advogado, foi vereador em Santa Cruz, deputado federal por seis mandatos consecutivos, deputado federal constituinte e deputado estadual. Foi também Secretário dos Transportes no Governo de Jair Soares. Atualmente preside a Cia Riograndense de Mineração.

O Engenheiro e auditor Humberto Brandão Canuso esteve à frente da Secretaria no período de 30.03.1998 a 4.11.1998.

Pedro Luiz Fagundes Ruas, advogado e vereador em Porto Alegre por quatro legislaturas, foi Secretário das Obras de 01.01.1999 a 08.10.2000, no Governo de Olívio Dutra.

Pelo período de 01.01.2001 a 31.12.2002, chefiou a secretaria o ex-deputado federal e economista Edson Silva, foi Superintendente de Abastecimento da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

Frederico Cantori Antunes, engenheiro agrônomo, vereador de Uruguaiana em 1992 e deputado estadual desde 1998, foi o Secretário pelo período de 01.01.2003 a 31.3.2006. Em 2007 exerceu a Presidência da Assembléia Legislativa.

Valdir Schmidt secretariou as Obras Públicas de 31.3.2006 a 31.12.2006. Foi prefeito de São Leopoldo por três mandatos (de 1983 a 1988, de 1993 a 1996 e de 2001 a 2004). Formado em Direito e Economia, foi deputado estadual (1991 a 1992) e federal (1999 a 2000).

Paulo Euclides Garcia de Azeredo foi o primeiro responsável pela gestão das obras públicas no Governo de Yeda Crusius. Chefiou a pasta de 01.1.2007 a 26.4.2007. Formado no Curso Técnico de Química da Fundação Liberato Salzano Vieira da Cunha e em Gestão Pública pela UCS, é  deputado estadual há quatro mandatos.

Coffy Rodrigues foi Secretário das Obras de 15 de maio de 2007 a 5 de janeiro de 2009.Comerciante e produtor rural, iniciou sua vida como vereador em Canoas por dois mandatos consecutivos. Foi Secretário de Habitação daquele Município. Foi deputado estadual e o segundo Secretário de Obras Públicas do Governo de Yeda Crusius. Deixou a Secretaria no início de 2009 para reassumir seu mandato estadual.

José Carlos Breda foi secretário de obras de 08 de janeiro de 2009 a 31 de março de 2010. Foi responsável pela Coordenação Executiva do Programa Estruturante Nossas Cidades do Governo do Estado. Formado em Economia pela Universidade de Caxias do Sul, é pós-graduado em Administração Financeira pela Unisinos. Natural de Cotiporã, foi distribuidor-contador judicial e escrivão judicial; Secretário de Finanças da cidade de Campo Bom por duas vezes; Secretário de Planejamento e Indústria e Comércio e Vice-Prefeito do mesmo Município. No Governo Estadual ocupou os cargos de Diretor-Geral e Secretário-Adjunto do Meio Ambiente, em 2007 e de Chefe de Gabinete da Governadora Yeda Crusius.

César Luis Baumgratz foi secretário de obras de 06 de maio de 2010 a 31 de dezembro de 2010. Baumgratz formado em Ciências Jurídicas e Sociais pela Unisinos, foi prefeito de Bom Princípio de 1993 a 1996 e vice-prefeito da cidade de 1989 a 1992. Foi presidente da Câmara de Vereadores nos anos de 2005 e 2006, entre outras atividades. Em 2009, foi assessor do Gabinete da Governadora Yeda Crusius e chefe de Gabinete da Secretaria-Geral de Governo de dezembro até a nomeação para a Secretaria das Obras Públicas do Estado.

Luiz Carlos Ghiorzzi Busato foi secretário de obras de 01 de janeiro de 2011 até 18 de março de 2014. Formado em Arquitetura, Busato foi funcionário público municipal durante 10 anos. Em 2000, assumiu como secretário municipal de Planejamento Urbano. Em 2004, Busato concorreu pela primeira vez a um cargo eletivo e foi eleito vereador. Em 2006, foi eleito deputado federal, sendo reeleito em 2010. Logo após as eleições, foi convidado para assumir a Secretaria de Obras Públicas, Irrigação e Desenvolvimento Urbano do Estado. Em 2014, foi um dos 10 candidatos à Câmara Federal mais votados do Estado, com 130.807 votos. 

Eduardo Martins Medeiros foi secretário de obras de 20 de março de 2014 até 31 de janeiro de 2014. Engenheiro químico foi diretor técnico da Companhia Riograndense de Mineração (CRM). Foi diretor do Departamento Municipal de Limpeza Urbana de Porto Alegre e assessor de meio ambiente da Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura Municipal de Canoas. Respondeu pela Secretaria de Planejamento de Sapucaia do Sul e foi diretor do Parque Zoológico da Fundação Zoobotânica e diretor de Meio Ambiente da Prefeitura de Sapucaia do Sul.

Gerson Burmann foi secretário Estadual de Obras de 01 de janeiro de 2015 até 03 de março de 2017. Engenheiro civil, Gerson Burmann foi reeleito para seu quarto mandato consecutivo para deputado estadual. Natural de Ijuí foi líder da bancada do PDT na Assembléia. Foi vice-prefeito e  secretário de obras em sua cidade, entre 1993 e 1996.

Carlos Antônio Búrigo assumiu interinamente a secretaria de Obras no período de 03 de março de 2017 até 27 de abril de 2017. Foi secretário municipal de Finanças e Gestão em Caxias do Sul. Búrigo também foi prefeito de São José dos Ausentes por dois mandatos. Em janeiro de 2015 assumiu a Secretaria-Geral do Governo do Estado que mais tarde acabou sendo transformada em Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão (SPGG).

Fabiano Pereira foi secretário Estadual de Obras de 27 de abril de 2017 até 05 de abril de 2018. Foi presidente da União Santa-mariense dos Estudantes e secretário-geral da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas - período em que residiu em São Paulo e ajudou a liderar o movimento Fora Collor. De volta a Santa Maria, iniciou os estudos na faculdade de Economia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e passou a atuar no movimento comunitário. Em 2000 foi eleito vereador na cidade e, em 2001, assumiu a Secretaria Municipal da Saúde. Em 2002, elegeu-se deputado estadual e, no final do mandato, foi presidente da Assembleia Legislativa. Em 2006, foi reeleito deputado estadual. Em janeiro de 2011 foi convidado para assumir a Secretaria Estadual da Justiça e dos Direitos Humanos, permanecendo no cargo até o mês de março de 2014. 

Sandro Figueiredo de Oliveira assumiu interinamente a secretaria de Obras no período de 05 de abril de 2018 até 19 de abril de 2018. Boka é engenheiro mecânico, formado pela Universidade Federal do Rio Grande (Furg), com pós-graduação em Engenharia de Segurança pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC). Começou a carreira política em Rio Grande, sua cidade natal, onde foi vereador por dois mandatos e presidiu a Câmara. Também foi deputado estadual e dirigiu a Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica (CGTEE).

Rogério Araújo de Salazar foi Secretário Estadual de Obras, Saneamento e Habitação de 19 de abril de 2018 até 31 de janeiro de 2019. Natural de Pelotas, Salazar formou-se em Direito pela Universidade Federal de Pelotas, em 1996. Foi membro do diretório nacional do PSB, chefe de gabinete do deputado federal José Stédile – cargo que ocupou desde 2013 – e primeiro-secretário da executiva estadual do partido.  Além disso, ao longo da carreira, foi duas vezes presidente da sigla em Pelotas, assessor jurídico da bancada do PSB na Câmara Municipal (1997-1999), diretor administrativo e financeiro da Coinpel - a Companhia de Informática de Pelotas (2000 a 2004),e também atuou na bancada do PSB na Assembleia Legislativa (2011-2012).

Secretaria de Obras e Habitação